segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A andorinha cega


Pode-se dizer o uso de emendas com malhetes em cauda-de-andorinha, pelo reforco estrutural que fornecem ao encaixe (e uma muito maior area disponivel para cola, quando for o caso), e' um recurso empregado desde tempos imemoriais, por todas as culturas, para todos os materiais como madeiras, metais, pedras, etc.

Embora mais modernamente a estetica tenha preponderantemente dado preferencia a deixar evidente o trabalho do artesao, mantendo os encaixes `a vista — e os rabos-de-andorinha sejam frequentemente vistos como sinonimos de construcao bem-feita, capricho e cuidados —, como pode ser constatado facilmente observando-se originais, reproducoes ou imagens de moveis classicos, desde a antiguidade ate par de decadas atras a preferencia era por ocultar, ou no minimo disfarcar, as emendas.


Ate os mestres da marcenaria e da carpintaria japonesa, famosos por justamente procurar deixar o minimo de seu trabalho exposto, ocultando tao fundo as enormemente complicadas ensambladuras que executavam que nos tempos modernos e' necessario examina-las com raios-X para revelar como foram feitas, hoje ate mesmo esses mestres resolveram deixar a modestia de lado e expor salientemente sua tecnica em formas que nos deixam boquiabertos...


Mas... Pera ahi um pouquinho!
Sera que era mesmo por modestia que os antigos davam preferencia `as emendas cegas?


Essa minha duvida nasceu ao assistir um episodio de The Woodwright Shop, a serie mais antiga no ar da TV dA Matriz, capitaneada ha 33 anos ininterruptos por Roy Underhill. No final desse recente episodio da temporada 2014-2015 (o episodio denominado Campaign Furniture, acessivel desde http://www.pbs.org/woodwrightsshop/watch-on-line/2014-2015-episodes/), e' demonstrada por Christopher Schwarz uma tecnica de execucao de emenda cega com malhetes em rabo-de-andorinha.

Um reconhecidamente conhecedor profundo de tecnicas classicas de marcenaria, enquanto executa sua demonstracao em breves minutos Mr. Schwarz menciona de passagem que nessa tecnica os malhetes podem ser cortados sem necessitar o esmero habitual, porque no final tudo vai ficar mesmo escondido...

A-rra!
Bem ahi nasceu-me a duvida: os marceneiros de antanho preferiam mesmo executar emendas cegas para ocultar seu trabalho ou, ja que a coisa ia mesmo ficar escondida, era para poderem trabalhar mais rapidamente e com imensamente maior tolerancia a erros?

Nao achei nada que pudesse responder a essa pergunta de forma definitiva mas, de qualquer modo, ate para treinar o uso das ferramentas resolvi tentar executar uma emenda dessas; uma emenda em esquadria cega com malhetes em cauda-de-andorinha, como essa mostrada ahi `a esquerda.


Comecei por montar, na falta de melhor palavra, um "jig" — uma rampa a 45° para servir de apoio a um formao na hora de cortar as meia-esquadrias — a partir de um resto de cedro-rosa. (A unica parte da rampa realmente a exatos 45°, diga-se, e' o retangulo apontado pela seta verde ahi na foto `a direita; o resto tudo e' para dar volume, peso, apoio.)

A etapa seguinte, uma vez seca a colagem da rampa, foi marcar em uma ripa da 'sucata' a posicao dos malhetes, e corta-los. E foi cortar o primeiro, e reparei que a marcacao estava completamente invertida. (Algo que, pelo menos comigo, nao e' incomum acontecer: fico muito concentrado pensando em um aspecto da coisa e deixo o separador de orelhas no automatico, sem supervisao, para o resto — e ele nao raro erra o penico.) Constatado o erro, resolvi continuar do mesmo jeito, alegando para mim mesmo que o que interessava era testar o jig, nao fazer uma emenda perfeita, ate antes pelo contrario. (Desatento, distraido, trapaceiro e preguicoso, alguns de meus atributos menos cantados, hehe.)


Uma vez cortados, os rebaixos e os malhetes, hora de aplicar o formao com a ajuda da rampa para cortar as meia-esquadrias, o que acabou sendo mais facil do que eu esperava, mas mesmo assim sublinhou empregar esse metodo exige formoes muitissimo bem afiados...

Ahi — com a ajuda de alguns grampos, pois os encaixes com os malhetes invertidos por certo e por nada queriam saber de ficar montados, hehe — montei a emenda.


Como voces podem ver nas fotos abaixo, embora eu tenha feito a emenda pela primeira vez, sem o menor capricho, com os malhetes invertidos, uma lamentavel matacao mesmo vendo com a melhor das boas vontades... olhando a coisa montada ficou tudo perfeito.


Agora entao, decidam voces: os marceneiros d'antanho faziam essas emendas assim cegas por estetica, para nao evidenciar o trabalho, ou por que era o jeito mais facil mesmo?


Um comentário: