sábado, 14 de junho de 2014

Relogio I - engatinhando

Como mencionei na minha postagem anterior aqui neste batcanal, fiquei considerando eventualmente construir de um novo gabinete para meu recem chegado relogio de chao. No sentido de acumular conhecimentos pertinentes a tal projeto pensei em comecar por uma tentativa de executar algo ultra simples nesse veio, para ir tirando a temperatura das pedras e espinhos do caminho...

Obviamente, iniciei por adquirir uma maquina a quartzo — barata, bem simplesinha mas com pendulo, hehe — para balizar os tamanhos. O engenho veio com ponteiros e um pendulo (ridiculo, mas um pendulo), e mais nada. Por obvio, o primeiro passo era construiur um dial, um mostrador para o futuro relogio.

A opcao foi pelo design mostrado ahi na foto `a esquerda, um circulo e uma coroa concentricos. O circulo marquei com um compasso seco e serrei na ticotico de bancada em compensado de 5mm; a coroa igualmente, mas em um resto de cedrinho de ~1,5cm de espessura. O circulo, dei acabamento com lixadeira; a  coroa, resolvi dar acabamento no torno. O cedrinho, muito pouco denso, nao resistiu e quebrou nos veios curtos, o ponto de menor resistencia:



Primeira licao aprendida, hehehe...


Acabei refazendo a coroa, dessa vez diretamente no torno e utilizando louro-gaucho. (O que, incidentalmente, acabou determinando a opcao por qual madeira utilizar no resto do projeto.)


O mostrador montado, suas medidas determinadas pelo comprimento dos ponteiros da maquina, hora de usa-lo para balizar um design para o relogio.

Utilizei um resto de prancha de louro-gaucho para cortar na serra de mesa uns sarrafinhos de secao quadrada, para a montagem de uma especie de 'gaiola'.


A vantagem dos sarrafos soltos foi possibilitar inumeras variedades de posicionamento, angulos, etc. A desvantagem, se isso for desvantagem, foi o consideravel consumo de tempo no avaliar as inumeras possibilidades.


Eventualmente, acabei me agradando de uma configuracao e ahi foi partir para dimensionar. Direto no projeto, claro, sem medidas, que medir diminui a precisao, hehehe...


A imagem ahi na esquerda mostra o que devera ser a frente do relogio, vista por tras, com os sarrafinhos ja todos cortados nas devidas medidas e configurados no formato que acabei decidindo empregar. (As tabuas de cedrinho `a esquerda e no topo da imagem, fixas `a bancada com grampos, formam um esquadro que emprego para justamente ajudar no esquadrejar pecas para montagens e colagens.)

Tendo entao estabelecido as posicoes das pecas, a proxima etapa foi abrir rasgos nas ripinhas transversais onde encaixar as longitudinais, o que resolvi fazer utilizando a tupia de mesa, pela facilidade e precisao para os cortes repetitivos.


Nao foi uma boa opcao!
Os cortes, de topo, resultaram em consideravel incidencia de esfacelamentos, fraturas e arrancamentos...

A serra de mesa com uma lamina adequada teria oferecido praticamente a mesma precisao e por certo resultados de muito melhor qualidade. Mas a preguica de refazer todo o setup em outra maquina acabou vencendo, e o servico foi feito mesmo na tupia. (As 'matacoes' naturalmente terao de ser corrigidas com lixas, e lixar e' algo que eu gritantemente detesto — o que so vem confirmar, licao que nunca se aprende, preguicoso acaba sempre trabalhando dobrado, hehe.)


De qualquer maneira, mesmo sem a correcao dos defeitos foi possivel fazer uma montagem seca da peca e ja ter-se uma ideia de como ficara a frente do relogio, como pode ser visto ahi na imagem `a direita.

Que e' onde estamos...

Obviamente, o que me tomou uma semana fazer poderia facilmente ser feito em meio dia. Mas muito mais do que fazer, esse tipo de lide consome tempo mesmo e' em pensar, na decisao do que fazer.

2 comentários:

  1. Paulo, parabéns sou fã de seu blog seus trabalhos são fantásticos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pelo sempre bem-vindo estimulo, xara.

      Excluir